Manin – Futurismo Orgânico

Do futuro, 

para além do que sonho e desejo,

Só espero que ainda haja Brasília.

Que as pessoas não sejam as mesmas,

Mas o céu continue visível,

Que a distância não seja desculpa,

Para que o outro esteja mais perto;

Espero que carros não sejam pessoas,

Que o centro não seja a única coisa,

Com a qual o dinheiro se importa,

E cuida como fosse colo materno;

Espero que as flores que não sentem chuva,

Não morram de sede, no Sol do Cerrado

E a comida que nos alimenta,

Seja a mesma pra todos que dela precisem;

Não quero que todos sejamos mais ricos,

Pra além da saúde, que hoje nos falta,

Que educação não se venda em mercado,

E a mentira não seja um estilo de vida;

Pra não ser necessária a desconfiança,

Que o ar seja fresco, ao início do dia,

Que árvores sejam mais altas que os prédios,

E os olhos importem bem mais do que as telas;

A princípio espero que haja futuro,

Dar valor para o tempo, bem mais que um preço,

Que o trabalho não seja forçado,

Pensando somente na sobrevivência;

O que quero é que o outro seja tão importante,

Quanto eu, ou você, que lê minhas palavras,

Que o moderno seja a partilha,

Do que for necessário para a felicidade.


SOBRE O PRODUTO:

A obra, para além de uma proposta de futuro melhor pensando no desenvolvimento tecnológico industrial que o tempo trás, toca no ponto de talvez retroceder alguns passos, uma vez que, para haver um futuro, talvez precisemos de menos coisas que a modernidade nos trouxe, como carros, internet, celulares modernos, agrotóxicos, monocultura, ou produção em massa de produtos a serem consumidos. Trata-se de um vislumbre a respeito de um futurismo orgânico, visando a aproximação dos seres humanos, e não seu distanciamento. Trazer o outro para perto, dentro de uma proposta de identificação coletiva. Pensar no outro como fazendo parte de si, gerando uma maior equidade para a sociedade. Ao meu ver, não é possível uma vida plena dentro dessa “modernização desenfreada” que vivemos, refletida até mesmo na pandemia que acometeu o mundo nos tempos atuais, consequência da forma de vida que levamos atualmente. E por fim, mesmo dentro desse processo de modernização, já que possuímos tantos avanços, utilizar os mesmos para que haja integração e troca entre o centro e a periferia, o rico e o pobre, aqueles que possuem posições privilegiadas na sociedade, seja dentro de uma questão de gênero, cor, ou orientação sexual, além de reduzir as barreiras para as pessoas com deficiência dentro de nossa sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para comentar, você aceita os termos a seguir:
Aceito e concordo com o tratamento de meus dados pessoais para finalidade específica, em conformidade com a Lei nº 13.709 – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).Ao manifestar sua aceitação, o Titular consente e concorda que a ASSOCIAÇÃO TRAÇOS DE COMUNICAÇÃO E CULTURA, inscrita no CNPJ: 08.117.759/0001-60, com sede na SCLN 208 BLOCO D ENT. 49 SALA 211, ASA NORTE, BRASÍLIA, DF, CEP 70853-540 , doravante denominada Controladora, tome decisões referentes ao tratamento de seus dados pessoais, bem como realize o tratamento de tais dados, envolvendo operações como as que se referem a coleta, produção,recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão,distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.